Canal:
QUALIDADE DE VIDA

 


TESTES EM HUMANOS APONTAM QUE ANTICOAGULANTE PODE REVERTER CASOS DE PACIENTES EM ESTADO GRAVE POR COVID-19
     . REGIS

    
Aplicado em 27 pacientes da Covid-19 com comprometimento pulmonar, medicamento fez com que mais da metade deles, 56%, recebesse alta em quatro dias. Pesquisadores brasileiros se preparam para estudo com um número maior de voluntários
      

  


Um medicamento anticoagulante poderá salvar a vida de pacientes com a síndrome de dificuldade respiratória aguda, principal complicação da Covid-19, associada aos óbitos pela doença. Uma pesquisa conduzida no Hospital Sírio-Libanês de São Paulo com 27 pessoas constatou que o uso da heparina, remédio indicado para prevenir trombose, reduziu o tempo de internação e de intubação, mostrando-se uma estratégia promissora para os casos graves da enfermidade.

O estudo, publicado on-line pela revista British Medical Journal (BMJ), soma-se a pesquisas anteriores realizadas em outras partes do mundo que também apontaram os anticoagulantes como um tratamento eficaz para evitar a falência dos pulmões. Todas as pesquisas com a substância, porém, são experimentais, e os cientistas alertam que é necessário realizar mais testes com numerosos pacientes, incluindo grupos de controle, para validar a descoberta.

A pesquisa de São Paulo foi idealizada pela pneumologista Elnara Marcia Negri, do Sírio-Libanês e da Universidade de São Paulo (USP). Ela conta que a inspiração veio da primeira paciente com Covid-19 que atendeu. Era uma idosa que apresentava dificuldade para respirar, além de começar a apresentar cianose nas extremidades. “Era um dedinho roxo, concomitante a um quadro de queda abrupta na oxigenação.” O pulmão insuflava facilmente, mas parecia não estar recebendo oxigênio suficiente. Como ela já estava com trombose no dedo, os médicos decidiram pela medicação anticoagulante.

Cerca de seis horas depois, a paciente já respirava bem, a oxigenação havia voltado ao normal e a pele estava rosa. A partir dessa experiência, Negri conversou com patologistas do Hospital das Clínicas da USP que vinham realizando necrópsias em vítimas da Covid-19. Os médicos relataram que observaram microcoágulos nos vasos sanguíneo em várias partes do corpo dos cadáveres.

Todos os pacientes que entraram no estudo tinham algum grau de comprometimento pulmonar quando foram internados. Entre três e quatro dias do início da internação, começaram a receber a heparina, além do tratamento indicado para cada um deles. Quinze dos 27, ou 56%, receberam alta quatro dias depois do início do tratamento. Dos que estavam intubados, metade deixou de usar o ventilador um dia e meio após o uso da heparina.

Segundo a pneumologista, até ontem, apenas dois pacientes ainda estavam graves. “Isso nos animou muito. Sabemos que não é um trabalho randomizado (dividido em grupos, com dosagens diversas da substância, para comparação), controlado, mas foi um trabalho no desespero, no meio de pessoas que estavam morrendo. Então, começamos a fazer uma intervenção clínica que já é feita na UTI, que é a anticoagulação quando há suspeita de trombose, e essa intervenção clínica deu resultados”, comemora Negri.

Excesso de citocinas
As lesões verificadas nos vasos sanguíneos dos pacientes são, de acordo com o estudo de São Paulo, condizentes com a hipótese da tempestade de citocinas, que vem sendo associada à falência de órgãos dos pacientes com a forma grave da doença. Citocinas são importantes substâncias produzidas naturalmente pelo corpo, como forma de combate a agentes externos perigosos, como vírus. Porém, por motivos ainda desconhecidos, em algumas pessoas, o Sars-Cov-2 desencadeia uma resposta extremamente agressiva, com superprodução dessas proteínas.

As tempestades também foram observadas em pacientes que morreram de Sars e Mers, doenças causadas por coronavírus semelhantes ao causador da Covid-19. O excesso de citocinas provoca inflamações que produzem microcoágulos nos vasos sanguíneos. Com isso, órgãos vitais, como pulmões, deixam de receber sangue e oxigênio, o que provocaria a falta de ar característica da forma grave da doença.

A médica esclarece que o tratamento com heparina não é usado indiscriminadamente. “A gente está usando em todos os pacientes que, pelo sexto ou sétimo dia de internação, apresentam essa hipercoagulação que temos observado, e quando começam a baixar a oxigenação sanguínea. Nesse momento, entramos com o anticoagulante.” Ela, porém, ressalta: “Isso não é a cura da Covid-19. É um tratamento das complicações que o vírus traz quando invade o organismo.”

Uso monitorado
Para quem pensa em usar o remédio para prevenir ou se automedicar, a pneumologista é clara: isso pode matar. Primeiramente, o anticoagulante que se vende em farmácias não tem dosagem suficiente para combater a Covid-19. Em segundo lugar, o uso dessa classe de medicamentos por quem não tem indicação tem efeitos gravíssimos. “Se você está com uma coagulação normal e toma o anticoagulante, pode morrer sangrando. De jeito nenhum é um remédio para automedicação nem para prevenção.

Agora, os médicos do Sírio-Libanês e do Hospital das Clínicas de São Paulo pretendem lançar um estudo com número maior de pacientes, randomizado e controlado. Os pesquisadores terão a colaboração de cientistas holandeses, também interessados em investigar a eficácia da heparina.

No informe diário que o Ministério da Saúde divulga, avaliando a qualidade dos estudos publicados sobre Covid-19, o órgão destacou que o estudo com os 27 pacientes tem qualidade metodológica. Também observa que, como os próprios autores observaram no artigo, ainda é preciso estudar mais a abordagem, até que possa ser validada.

 


25/04/2020 - Correio Braziliense
Foto:  G1 / divulgação