Canal:
QUALIDADE DE VIDA

 


ACIRP APRESENTA CRÍTICAS AO DECRETO DO GOVERNO ESTADUAL
  . REGIS

    
A Associação classifica como irresponsável e equivocado o decreto do governo do Estado que determina o fechamento completo de diversas atividades econômicas indistintamente em São Paulo

                                

  

 


A ACIRP – Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, por meio de nota oficial à imprensa, apresentou severas críticas ao Decreto do Governo do Estado de São Paulo que determinou a adoção de medidas restritivas da Fase Vermelha do Plano SP nos finais de semana prolongados relativos às festas de fim de ano.

Conheça a íntegra da nota:

Nota à Imprensa

A Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto classifica como irresponsável e equivocado o decreto do governo do Estado que determina o fechamento completo de diversas atividades econômicas indistintamente em São Paulo.

O primeiro ponto é a falta de previsibilidade. A divulgação de tais medidas, com menos de três dias de antecedência de sua adoção, mostra falta de sensibilidade, planejamento e indica total desconexão com a realidade. A decisão desestrutura centenas de empresas, em especial os setores de bares e restaurantes, que já adquiriram produtos perecíveis, contrataram fornecedores e realizaram reservas e vendas antecipadas.

Infelizmente, o governador segue a mesma linha com relação à realização do Carnaval uma vez que enquanto outros estados como Rio e Bahia tá previram o cancelamento ou adiamento da festa, São Paulo não se posiciona, deixando com insegurança e incerteza o setor de turismo, lazer e as escolas de samba.

O governo erra ao colocar na mesma fase do Plano São Paulo regiões em situação distintas com relação a evolução de casos, óbitos e capacidade de atendimento hospitalar, prejudicando as populações que tem se esforçado mais para manter seus números sob controle, como é o caso de Ribeirão Preto.

Por fim, além de prejudicar os comerciantes, o fechamento do comércio varejista aumenta o risco de aglomerações nos poucos dias que as lojas poderão funcionar na véspera e no período entre Natal e Ano Novo, causando justamente o efeito contrário ao desejado.

 


  

26/12/2020 - OPA Assessoria em Comunicação
Foto:  Divulgação