Canal:
QUALIDADE DE VIDA

 


VACINA DE OXFORD TEM 64% DE EFICÁCIA CONTRA CEPA ORIGINÁRIA DA ÍNDIA
     . REGIS

    
Imunizante garante 100% de eficácia contra mortes decorrente da variante Delta
 
                               

 

  



O Laboratório AstraZeneca divulgou nesta terça-feira (15), que a vacina produzida em parceria com a Universidade de Oxford tem eficácia de 64% contra sintomas em infectados pela variante Delta, originária na Índia.

Contra hospitalizações decorrentes da variante, para os imunizados com as duas doses, a efetividade foi de 92%. O estudo foi publicado em pré-print Public Health England (PHE), do Departamento de Saúde do Reino Unido. 

A vacina de Oxford é produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A instituição assinou o contrato de transferência de tecnologia com o laboratório AstraZeneca no dia 1 de junho, e a partir de outubro entrega para o Ministério da Saúde doses produzidas 100% no país.

O vice-presidente executivo da farmacêutica, Mene Pangalos, afirmou que "essa evidência do mundo real mostra que a vacina contra a Covid-19 AstraZeneca proporciona um elevado nível de proteção contra a variante Delta, que é atualmente uma área crítica de preocupação dada a sua rápida transmissão.”

Ainda de acordo com o executivo, os dados mostram que “a vacina continuará a ter um impacto significativo em todo o mundo, dado que continua a ser responsável pela esmagadora maioria dos fornecimentos à Índia e às instalações da Covax".

O estudo incluiu 14.019 casos da variante Delta – dos quais 166 foram hospitalizados – entre 12 de abril e 4 de junho, analisando as admissões de emergência hospitalar na Inglaterra.

A variante Delta foi incluída da lista de “variantes de preocupação”, da Organização Mundial da Saúde (OMS), desde o dia 10 de maio deste ano. A variante foi identificada em 74 países, em todos os continentes, exceto na Antártica, disse a OMS em sua última atualização epidemiológica semanal publicada no dia 8 de junho.

 


  

15/06/2021 - CNN Brasil
Foto:  Ivan Alvorado/Reuters