Canal:
QUALIDADE DE VIDA

 


MINISTÉRIO PÚBLICO IRÁ INVESTIGAR SITUAÇÃO DOS LEITOS NO HOSPITAL SANTA LÝDIA, EM RIBEIRÃO
  . REGIS1

    
Ao contrário do que o Prefeito anunciou, Secretário de Saúde declarou, nesta terça-feira (28), que hospital não é exclusivo para Covid-19, como Prefeitura havia divulgado

     
                               

  
 


O Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) instaurou um inquérito civil para investigar a situação de crianças com câncer que estão internadas no Hospital Santa Lydia, unidade que deveria atender exclusivamente pacientes com Covid-19.

Na última quarta-feira, 22, a Prefeitura de Ribeirão Preto publicou uma nota informando que o hospital receberá, exclusivamente, pacientes Covid-19. Na nota, o Executivo explicou que os pacientes que estavam internados no hospital com outras enfermidades já estavam em processo de transferência para outras unidades de saúde.

O hospital possui estrutura com tem 40 leitos de enfermaria e 17 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Desse total, são 15 leitos de UTI e 25 leitos de enfermaria exclusivos para a Covid-19.

Contudo, nesta terça-feira, 28, o secretário de Saúde Sandro Scarpelini declarou, em sabatina durante sessão extraordinária na Câmara Municipal, que as crianças em tratamento de câncer seguem sendo atendidas no Santa Lydia. Questionado pelo vereador Igor Oliveira (MDB) sobre o anuncio de exclusividade, Scarpelini respondeu: "Nenhum hospital em Ribeirão é exclusivo, com exceção do São Lucas. Santa Lydia não é. [...] Todos os hospitais tem paciente com câncer e Covid".

Na sequência, Oliveira questionou sobre o porquê o prefeito teria anunciado essa exclusividade. "Precisa perguntar para ele, foi uma interpretação que ele fez", respondeu o secretário.

Em entrevista concedida à reportagem da Revide, na segunda-feira, 27, o secretário confirmou que apenas o setor de adultos foi direcionado para o atendimento de Covid-19. E que, ao não aceitar outros pacientes no hospital, geraria leitos ociosos sem necessidade. 

"Todos os hospitais de Ribeirão Preto atendem Covid.O HC que tem uma UTI de Covid Infantil, Hospital Sinhá Junqueira atende, a Matter também atende. Vamos fazer o que então? Fechar todos os hospitais porque tem crianças dentro?", questionou o secretário.

Scarpelini acrescenta que a repercussão do caso é justificável pelo receio dos pais, mas que enxerga também intenções políticas. "A queixa dos pais é um medo natural, mas ai vem o lado político. Criam uma situação que não existe, se tornam padrinhos dos pais", criticou.

Devido à falta de tempo para que todos os parlamentares se manifestassem durante a reunião, foi aprovado a urgência do projeto para nova convocação. A matéria será discutida durante a próxima sessão, na quinta-feira, 28, e sendo aprovado, será agendada a data para nova sessão extraordinária.

Ministério Público
Na última semana, após tomar ciência da situação das crianças no Hospital Santa Lydia, o vereador Igor Oliveira notificou o Ministério Público sobre a situação. E, nesta terça-feira, o MPSP confirmou que, por meio do promotor Sebastião Sérgio da Silveira abrirá um inquérito civil para investigar a situação.

"A situação é temerária e muitos registros feitos por mães e profissionais me motivaram a formalizar a denúncia. As crianças, das mais variadas idades, que já sofrem com a doença, com o tratamento um tanto quanto invasivo e com a imunidade baixa, acabam ficando por horas expostas dentro da unidade de saúde", declarou Oliveira.

Pais e mães também se uniram para tentar transferir os filhos de hospital. Uma das líderes do movimento, Daiane do Nascimento Mariano de Oliveira, conta que a filha de quatro anos faz tratamento no Santa Lydia há pelo menos um ano e que acha temerário levar a criança, com imunidade baixa, até o hospital. "Nós estamos trazendo nossos filhos para o foco da doença. Eles têm imunidade baixa, é um contrassenso" explicou a mãe.

Santa Lydia
Em nota assinada pela diretoria do hospital, o Santa Lydia informou que recebe pacientes com várias enfermidades, inclusive, com Covid-19. Assim como outros hospitais da cidade. "Nem por isso, os hospitais deixaram de atender pacientes imunodeprimidos, a rigor da adoção de outras medidas de biossegurança. Reforçamos nossas alas adultas, com abertura de mais leitos e realocamos alguns serviços (consultas de cardiologia, cirurgias eletivas, etc.), para cumprir com a nossa missão e salvar vidas neste delicado momento", explicou.

A direção declarou que a área de oncologia infantil segue em um espaço isolado e não há contato direto com pacientes com o novo coronavírus. No primeiro andar do prédio fica a ala de enfermaria e UTI infantil e neonatal. Na nota, o Hospital garantiu que a equipe que trata das crianças não atende pacientes com Covid-19. Dedicamos equipes especialmente para atendimento infantil e neonatal", frisaram Os leitos de Covid estão dispostos no segundo e terceiro andar do hospital.

Segundo o hospital, nenhum paciente com Covid-19 chegará à unidade sem regulação ou sem prévio aviso. Ou seja, será sempre conduzido por ambulância com uma equipe para deixá-lo e outra para recebê-lo, com maca ou cadeira de rodas, intubados em ventilação mecânica ou utilizando máscara cirúrgica.

A direção esclarece que o fluxo da entrada é bloqueado para a admissão exclusiva do paciente com Covid, a fim de que nenhum outro paciente ou acompanhante circule na recepção simultaneamente, sendo este setor liberado em seguida.

"Essa passagem de pacientes com Covid-19 nas áreas comuns durará poucos segundos e sempre haverá uma equipe (que reforçamos) para garantir que entrem em adequado isolamento dentro das áreas reservadas do Hospital. Mesmo assim se os pacientes imunodeprimidos/ familiares preferirem, ou se sentirem mais seguros, podem realizar a passagem através da entrada de serviços", escreveu a direção do Santa Lydia.

 



   

29/07/2020 - Revide
Foto:  Câmara de Ribeirão Preto